Policiais Federais que se especializam, estudam e se tornam escritores

Quatro agentes que se destacaram por sua produção literária e acadêmica contam suas histórias

A segurança pública, a ciência criminal, o combate às drogas, o terrorismo. Histórias de quem participou de ações de combate e de quem estudou profundamente para se especializar no tema. Entre os policiais federais, há escritores e acadêmicos com conhecimento reconhecido em suas áreas de atuação ou de pesquisa.

A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), num esforço de reconhecimento a todos esses profissionais que se dedicam profundamente à corporação, narra aqui a história de quatro desses “policiais-acadêmicos”, ou “policiais-escritores”, como alguns preferem:

• Anderson Fernandes

A história de Anderson Fernandes com a polícia vem da infância. Aos 12 anos, foi policial mirim em sua cidade natal, Firminópolis (GO). Aos 16, entrou na Faculdade de Direito e aos 19 fez o curso de formação da Polícia Civil de Goiás. Em 2004 foi aprovado no concurso para a Polícia Federal. O mestrado na UFG levou o agente para a especialização em Ciências Policiais. A partir daí, o caminho estava traçado: livros para compartilhar a experiência e o conhecimento. Os três livros publicados são obras técnicas.

O primeiro, Ciências Policiais e Segurança Pública nasceu de uma série de debates entre alunos e professores do curso de Especialização em Ciências Policiais da Academia Nacional de Polícia. A publicação reúne a visão de especialistas de formações diversas, policiais civis e federais. Os textos tratam de problemas como a estrutura de investigação, o sistema de persecução criminal, análise criminal, papel da polícia na investigação do terrorismo e atuação policial na fronteira. Tudo a partir de um ponto de vista humanista.

O segundo livro, Ensaios Criminológicos reúne artigos de diversos policiais. Anderson é um deles.

A terceira publicação, Políticas Criminais, é um compilado de ideias voltadas para a melhoria da segurança pública com base em dados concretos. Temas como controle da criminalidade, aprisionamento, custos e terrorismo estão presentes.

Anderson Fernandes antecipa que já há um quarto livro no prelo. Ele vai tratar de um tema cada vez mais relevante na Polícia Federal: a desmotivação profissional e o alto índice de suicídios.

• Guilherme Damasceno

Engenheiro civil, Guilherme Damasceno entrou na Polícia Federal como agente, em 1997. Formou-se também em Direito e depois começou a pesquisar o terrorismo. Apoiado pela Polícia Federal, partiu para o mestrado em Relações Internacionais na PUC-MG. A pesquisa motivou o lançamento do livro Passaporte para o Terror: Os Voluntários do Estado Islâmico, lançado em 2017.

“Acho muito interessante a Polícia Federal ter patrocinado minha formação e sou muito grato à corporação por isso. Foi esse apoio que me permitiu ir para a academia. Essa formação trouxe resultados também para a Polícia Federal, porque eu me especializei e participei de operações importantes, como a “Hashtag”, disse.

O livro é resultado de uma minuciosa pesquisa acadêmica iniciada em 2012, muito antes do Estado Islâmico (EI) ganhar notoriedade na mídia internacional. Ele desvenda os motivos pelos quais milhares de pessoas migram para a Síria e o Iraque para ingressar no Estado Islâmico. Atualmente, são mais de 30 mil homens, mulheres e crianças vindas de várias partes do mundo e que largaram tudo para se juntar ao Califado.

Damasceno conta que, oficialmente, não há brasileiros natos entre os terroristas, mas há pessoas com passaporte brasileiro (porque são filhas de brasileiros, por exemplo).

Depois de estudar as entranhas do terrorismo, Damasceno pesquisou, o crime organizado. Para ele, o PCC não pode ser considerado uma célula terrorista. “Terroristas têm uma motivação política ou religiosa. E esse não é o caso do PCC”, avalia.

Para ele, o grupo criminoso não tem o grau de “sofisticação” que alguns consideram que ele tem.

• Luiz Antonio Pinelli

Veterano, Luiz Antonio Pinelli entrou na Polícia Federal em 1981. Trabalhou em fronteiras, atuando em operações contra o contrabando e o tráfico. Em 1998, foi convidado a trabalhar em Brasília, no Grupo de Investigações Sensíveis. Acumulou um vasto “estoque” de histórias para contar. Como a de apreensão de 7,5 toneladas de cocaína, em 1994, numa fazenda no município de Guaraí, no Tocantins. “Foi mais de um mês seguindo os suspeitos, que vinham do Rio Grande do Sul e fizeram um estranho trajeto passando por Brasília, Bahia e Maranhão, até chegar no Tocantins”, conta. O resultado da “Operação Alpha”, como ficou conhecida, foi a prisão de 13 pessoas ligadas ao Cartel de Cáli.

Outra operação de que Pinelli participou foi o sequestro de Wellington Camargo, em 1998. Irmão menos famoso da dupla sertaneja Zezé di Camargo e Luciano, Wellington foi levado da casa onde morava, em Goiânia. Os sequestradores fizeram o primeiro contato com a família Camargo cinco dias depois. Não houve negociações. Os bandidos enviaram a uma emissora de televisão de Goiânia um pedaço da orelha de Wellington e um bilhete, para pressionar a família a pagar o resgate.

O agente conta que a Polícia Federal entrou no caso a pedido do então ministro da Justiça Renan Calheiros. Os trabalhos de inteligência foram montados em três bases: Brasília, Goiânia e São Paulo. O resgate no valor de US$ 300 mil foi pago em 20 de março. No dia seguinte, Wellington foi deixado dentro de um buraco, a 150 metros de uma estrada vicinal, entre Goiânia e Guapó, na Região Metropolitana. O irmão da dupla sertaneja saiu do matagal e foi encontrado por dois motociclistas, que o reconheceram. Em 23 de março de 1999, três dias após o pagamento do resgate, sete dos dez acusados de participar do sequestro foram presos em Campo Grande (MS). Outros três integrantes da quadrilha acabaram presos em seguida. Pinelli estava lá.

Agente 114 – O caçador de bandidos foi lançado em 2019. São mais de 250 páginas que resumem quase 40 anos de carreira. Pinelli conta que dois objetivos o fizeram transformar a carreira do Agente 114 em uma história impressa: “incentivar os atuais agentes e inspirar a nova geração de policiais”, detalha.

• André Salineiro

Agente da PF há quinze anos, gestor, vereador, escritor e até motorista de aplicativo. Essas são algumas das profissões exercidas por André Salineiro. Atualmente, ele está licenciado da Polícia Federal e é vereador em Campo Grande (MS). Como parlamentar, ele resolver se cadastrar no Uber para conversar com os moradores da capital sul-mato-grossense e receber sugestões para o mandato.

Como escritor, já lançou quatro livros; três deles técnicos e um de literatura. O primeiro, Gestão Estratégica e Segurança Pública traz a problemática da segurança pública no Brasil mas, acima de tudo, apresenta soluções sobre como gerir a segurança pública.

O segundo, Colapso Econômico, a Política de Impostos no Brasil, aponta rumos para o sistema tributário que o autor considera “retrógrado e ultrapassado”. Embora esse seja um livro técnico, usa uma linguagem simples, sem apelar para o “economês”.

O terceiro livro se chama Políticas Públicas em Segurança Pública e Defesa Social e foi uma encomenda do Centro Universitário Internacional (Uninter), para servir de material de estudo para os alunos de mestrado da Universidade.

O último livro, A Saga de uma Vida Policial, foi escrito em parceria com Mário Robson Felice Ribas. São contos a partir de fatos vivenciados pelos agentes, contados de uma forma literária.

Salineiro diz que o que o levou para a literatura foram as pesquisas que ele realizou.

A Fenapef tem apoiado e incentivado as iniciativas literárias de seus sindicalizados. Para o presidente, Luís Antônio Boudens, as obras representam mais um avanço dentro do projeto da Fenapef e dos sindicatos de apoiarem a produção bibliográfica sobre a Polícia Federal e a Segurança Pública. “Há muitas histórias para contar, e é de interesse dos policiais federais e da sociedade que sejam contadas. Também é de interesse da entidade, dos policiais federais e da sociedade que sejam buscadas soluções que visem melhorar o nosso trabalho e os números de eficiência da Segurança Pública no País”, explica.

Fonte: FENAPEF

Notícias