O APF Sandro Araújo, também associado e vereador de Niterói, fala ao jornal A Metrópole – SSDPFRJ
Voltar para Notícias
16/04/2018

O APF Sandro Araújo, também associado e vereador de Niterói, fala ao jornal A Metrópole

Em 2003, o Agente Federal Sandro Araújo criou o Projeto Geração Careta. A aplicação de Palestras de Prevenção ao Uso de Drogas marcou o início de uma empreitada de trabalho em constante crescimento e evolução que traz consigo diversas conquistas. Em novembro de 2009 foi somada ao projeto, a parte esportiva, calcada no ensino de excelência das artes marciais mistas gratuitas, no Complexo Caio Martins, em Niterói. Posteriormente implantados o pré-vestibular social e as aulas de inglês.

O uso de drogas é um fenômeno sociocultural complexo e sua presença em nossa sociedade tem nos causados grandes danos, muitos até irreversíveis. A existência de inúmeras drogas, variados efeitos e a facilidade de se obtê-las na adolescência, um período marcado por mudanças e curiosidades sobre um mundo que existe além da família, representam um forte atrativo para a curiosidade, a experimentação e até o uso contínuo.

Também professor de Física e Matemática, com mais de vinte anos de magistério, Sandro Araújo acredita em uma educação preventiva e na conscientização de alunos, pais e professores sobre os efeitos e consequências dessas substâncias à vida humana em seus aspectos físicos, psíquicos e sociais no combate ao uso de drogas e a criminalidade.

Além da prática de atividades físicas, o incentivo a inclusão nas universidades públicas e o acesso à parte cultural, de extrema importância para a formação do cidadão. Unindo a força de vontade de voluntários, alunos e colaboradores, o Geração Careta faz a diferença na vida das pessoas, levando cultura, educação, disciplina, ética e valores morais de grande valia para a sociedade.

“Nosso desafio através de bate-papo é a aproximação, utilizando a linguagem apropriada a cada faixa etária e uma abordagem transparente, sem julgamentos e que elimine a possibilidade de afastar ainda mais os alunos desta conversa tão urgente.”, explica Sandro Araújo. As palestras são gratuitas e estão disponíveis para todas as cidades do Estado do Rio de Janeiro. O agendamento pode ser realizado através do telefone 21 99959-1031, com a psicóloga Rosana Brandão ou na Coordenadoria de Políticas Públicas Sobre Drogas de Niterói – Copod através do telefone 21 2722-0706.

“É um engano acreditar que adolescentes ”aparentemente” sem problemas nunca experimentaram drogas. Por isso é essencial manter este diálogo não discriminatório e objetivamente instrutivo sobre o uso e as consequências de cada uma delas. Se os efeitos em curto prazo das drogas não fossem bons e prazerosos, não haveria tantos adolescentes e jovens consumindo. Sugerimos ainda a participação dos professores e incentivamos a realização de atividades através de um Calendário Anual. Somente desta maneira estaremos todos trabalhando efetivamente para a prevenção.” Sandro Araujo

As atividades físicas gratuitas atualmente são oferecidas em Niterói e São Gonçalo. As aulas de Muay Thai, Jiu Jitsu e Yoga acontecem nos Hortos do Fonseca e Itaipú. Com objetivo impulsionar a qualidade de vida com o resgate das áreas verdes públicas e suas funções, incentivando as pessoas a frequentarem estes hortos. Mais informações no telefone 21 26203732.

O apelido “Anjo da Federal” surgiu após o lançamento do primeiro livro de Sandro Araújo, “Anjo da Noite”. Hoje com quatro livros lançados, o apelido ainda descreve bem a personalidade do Professor Policial que acredita na Educação e no Esporte como ferramenta de combate ao crime e em ações não policias na busca de melhorias na Segurança Pública. Sandro participou de duas fases da operação Lava-Jato coordenando equipes de Mandato de busca e apreensão. Na Operação Acarajé que teve como alvo principal a base da Odebrecht no Rio de Janeiro e na Operação Calicute que prendeu o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral.

Eleito em 2016, vereador da cidade de Niterói, Sandro Araújo é reconhecido na “Casa Legislativa”, por trazer sua experiência para os debates sobre Segurança Pública e causa polêmica com sua abordagem social do tema: “Vejo muita gente pedindo mais polícia e pouca gente pensando em formas de precisarmos cada vez menos da polícia.”.

Como soluções para os problemas de Segurança Pública no Brasil, Sandro vê como principal desafio a extinção da peça investigativa chamada Inquérito Policial, datada de 1871, que até hoje é usada pelas polícias, ditas “judiciárias” e sugere acabar com o viés jurídico da investigação, tornando-a mais célere e focada na obtenção de provas.

O especialista sugere ainda, investir em Polícia Científica e Tecnologia; mudar a rotina de treinamento dos policiais, concebendo uma Formação Continuada; acabar com as escolas de oficiais de PMs, fazendo com que os mesmos tenham uma única porta de entrada na instituição; criar carreiras únicas nas Policias Investigativas; adotar planos de carreira baseados em meritocracia; investir em corredores emergenciais, que possam facilitar a logística de mobilidade de viaturas de emergência; integrar as emergências policiais com os operadores de trânsito, bem como com os centros de operações de semáforos; criar escolas de formação de analistas de Inteligência Policial, com padronização de procedimentos; criar programas de prevenção ao abuso de drogas para pais e alunos das redes publicas e privadas; fiscalizar o cumprimento de leis, como a 8069, conhecida como ECA e destinar um grande contingente para fiscalizar as fronteiras brasileiras.

Fonte: Jornal A Metrópole