FENAPEF E UPB RETOMAM AGENDA E ESTRATÉGIAS SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA – SSDPFRJ
Voltar para Notícias
06/11/2018

FENAPEF E UPB RETOMAM AGENDA E ESTRATÉGIAS SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Reunião está marcada para essa quarta (7) e traz na pauta, dentre outros pontos, a necessidade da manutenção da atividade de risco policial na Constituição

Em entrevista nessa segunda-feira (5) a um canal de televisão, o presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou que a reforma da Previdência pode ser aprovada até o início do ano que vem. Segundo ele, caso nenhum projeto seja enviado ainda em 2018, ele mandará um texto até o início do ano que vem para o Legislativo.

Pensando nisso, a Federação Nacional dos Policiais Federais retomou as agendas parlamentares sobre o tema no Congresso Nacional, em Brasília (DF). Nessa quarta-feira (7), a Fenapef vai se reunir com as demais entidades integrantes da União dos Policiais no Brasil (UPB) para discutir as novas diretrizes e montar uma nova estratégia para acompanhar a agenda e garantir os direitos da categoria.

“Apesar de o presidente eleito ter garantido a análise da especificidade de cada categoria, nós vamos acompanhar a discussão para que não haja prejuízo para os policiais, principalmente no que diz respeito à diferenciação de idade entre homens e mulheres policiais”, comenta o presidente da Fenapef, Luís Antônio Boudens.

Na entrevista dessa segunda, Bolsonaro disse que a idade de 65 anos, proposta pelo texto da reforma na gestão de Michel Temer, “não tem cabimento”, já que não dá para “imaginar um policial militar que esteja na ativa nessa idade. Tem quer ter certas especificidades.”

Outra demanda da UPB, da qual a Fenapef faz parte, é lutar para manter a atividade de risco dos policiais na Constituição Federal de 1988. A Proposta de Emenda à Constituição 287 quer revogar da Carta Magna a previsão da atividade de risco, prejudicando, segundo a entidade, cerca de 250 mil servidores do setor de segurança pública. “Não podemos permitir esse retrocesso. A expectativa de vida desses profissionais é bem abaixo da expectativa do restante da população. Vamos ficar em cima para que esse direito não nos seja retirado”, afirma Boudens.

Comunicação Fenapef