Voltar para Notícias
05/08/2019

Em ação diplomática policiais da Bolívia e do Chile visitam o SSDPFRJ

O APF Alves, que está lotado na Interpol, em (24/07), fez um exercício de diplomacia ao trazer policiais do Chile e da Bolívia, que estão em missão no Brasil, para conhecerem as dependências do SSDPFRJ. O APF Alves, nosso associado, explicou a estrutura do Sindicato e da Federação Nacional (FENAPEF), sempre ressaltando a importância do Sindicato em dar apoio aos seus associados.

O Inspetor da Polícia Chilena, Miguel Orellana, abordou a sua vinda ao Brasil: “Viemos para a Copa América oferecer segurança aos cidadãos chilenos que querem ver o futebol. O objetivo é que os chilenos sintam-se mais seguros, pois muitos não falam português. Outra questão é ajudar os policiais brasileiros a identificar criminosos internacionais.”

Grandes eventos sempre trazem  benefícios de intercâmbio e experiências com outros países. Boas práticas em matéria de segurança pública, observadas nessas nações, raramente são utilizadas no Brasil. São ausentes as políticas capazes de reformar as estruturas vigentes e, nesse sentido, temas cruciais como a carreira policial com entrada pela base, o ciclo completo policial e a modernização dos métodos de formalização da investigação não saem do papel. Porém, o Chile é considerado um dos países mais seguros do mundo, com um elevado número de resolução de crimes, fato que gera não apenas a “sensação de segurança”, mas uma segurança efetiva de seus cidadãos.

Grande parte desse sucesso advém de um moderno modelo de Polícia, pautado na meritocracia e eficiência, o que também gera uma positiva perspectiva de carreira para o policial, como explica o Inspetor de Polícia do Chile Miguel Orellana: “No Chile nos temos uma carreira única que o policial vai subindo e pode chegar até Diretor Geral. Você faz uma carreira. Temos chefes que nos observam e nos dão uma nota anual. Quem tem nota sete não tem problema para ascender. Quando se precisa de uma chefia eles olham a sua folha de vida, que é um documento do policial. No Chile temos as mesmas possibilidades de chegar ao topo da carreira, você tem a perspectiva de chegar a diretor. Ninguém vai dizer você não vai chegar”.