68% dos policiais do Brasil dizem ter colegas assassinados fora de serviço, diz G1

Uma matéria publicada na manhã desta quinta-feira  (30) no portal G1 dá conta de que  68% dos policiais do Brasil dizem ter colegas assassinados fora de serviço. O dado faz parte de um estudo do Fórum Brasileiro de Segurança Pública em parceria com a Fundação Getúlio Vargas e a Secretaria Nacional de Segurança Pública divulgado hoje.

Segundo a reportagem, a pesquisa chamada “Vitimização e risco entre profissionais do sistema de segurança pública” foi realizada por meio de entrevistas com 10.323 policiais militares, civis, federais, rodoviários federais, agentes penitenciários além de integrantes do Corpo de Bombeiros e da Guarda Municipal em todos os estados do País entre os dias 18 de junho e 8 de julho.

Para a diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Samira Bueno, a pesquisa mostra o quanto os policiais estão expostos durante suas trajetórias profissionais. Entre outros dados, o levantamento aponta que dois em cada três policiais já tiveram casos de colegas próximos que morreram fora de horário de serviço.

Leia também>> Federação Nacional dos Policiais Federais contra o assédio moral e suicídios na PF

O percentual de policiais que tiveram colegas mortos fora do expediente (68,4%) é maior, inclusive, do que o de profissionais que dizem ter perdido um colega assassinado em serviço (60,6%).

Ainda conforme o estudo, 74,7% dos agentes de segurança no Brasil dizem já ter sofrido ameaças durante o combate ou a investigação de crimes, mais da metade (51,4%) relata ter sofrido ameaças também fora do serviço, diz a notícia.

O número de agentes que relatam situações degradantes no trabalho é grande: 62,8% dizem já ter sofrido assédio moral ou algum tipo de humilhação. Um terço (32,3%) afirma ter sido vítima de violência física durante algum treinamento.

De acordo com o site,  39,9% dos policiais têm receio de serem assassinados em serviço. Essa percepção varia entre as regiões do país. No Sul, esse índice sobe para 55,3%; no Sudeste, ele fica em 34,5%.

Suicídios na PF – O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) Jones Borges Leal informou em reunião no mês passado com parlamentares e representantes sindicais de vários estados que mais de 30% dos policiais federais confirmam estar em tratamento psiquiátrico ou psicológico, sem contrapartida de atendimento médico.

“O Departamento da Polícia Federal (DPF) conta com apenas 14 psicólogos e 13 psiquiatras para atender todos os servidore”, relatou na ocasião.

Conforme Borges Leal, pesquisa feita com 2 mil profissionais constatou que 87% estão insatisfeitos com o trabalho, 97% reclamam da falta de oportunidade de crescimento na carreira e 76% notam ausência de liderança da chefia.

A insatisfação é acentuada entre agentes, escrivães e papiloscopistas e administrativos. Nos últimos três anos, foram 20 suicídios, de acordo com a Fenapef.

Assédio moral – Segundo ele, o assédio moral (exposição de trabalhadores a situações humilhantes) é a maior causa do suicídio entre os policiais, associada à insalubridade e às longas jornadas de trabalho. Borges disse ainda que existem colegas que trabalham com interceptação telefônica e um expediente de mais de 16 horas por dia, sem sábado e domingo.